Tags e autorização

Vamos imaginar o seguinte cenário. Podemos (se quisermos), especificar no aplicativo algumas origens quanto às despesas, sejam elas ordinárias ou extraordinárias.
Se o Nubank, mediante autorização, pudesse ter acesso à essa informação, ajudaria ao setor competente conhecer exatamente no que é utilizado o cartão.
Por exemplo: A, utiliza 30% das suas compras em supermercado; 40% em eletrônicos e 20% em lazer.
B, utiliza 25% das suas compras em combustível; 40% em produtos agropecuários e não usa em supermercado (tal vez tenha um cartão só para isso).
C, usa 40% das suas compras em ferramentas; 30% em educação e 30% em p*taria.
O conhecimento desse perfil (que é protegido por sigilo absoluto), se bem sistematizado pelo Nubank, poderia fazer com que os limites do cartão fossem adequados ao verdadeiro perfil do usuário.
Aí vai a minha sugestão: o Nu, pede autorização do usuário para ter acesso às tags. Assim conhece melhor o cliente e adequa seus limites.
Saudações

3 Curtidas

Na prática isso seria bem interessante, até pro próprio usuário visualizar o perfil que possui, mas não vejo como prioridade.
No fim, para o Nubank, só importa o gasto total final, pois é isso que vai basear ele na necessidade do limite do cliente. Tags de gastos são ótimos, mas desde que o usuário possa personalizar, uma vez que nem todo mundo utiliza esse controle.

É que eu tenho visto tantas requisições a respeito de aumento de limite que me pareceu apropriado que possa se conhecer o cliente não pelo seu gasto e sim onde ele utiliza. O capitalismo é assim; tudo para quem não precisa. Não que esteja errado mas, se vc mostra que usa seu limite para bobagens, bem que ele pode aumentar.