Nubank pode quebrar?

Para saber mais acessem o link

Poder, pode. Nada é inquebrável. Mas achei a reportagem profunda como um pires, e eloquente como uma porta. Não confiei no que tá escrito.

7 Curtidas

“reportagem” e “instagram” são duas palavras que não podem estar na mesma frase.

:laughing: :laughing:

É só mais um usuário tentando ganhar uns trocados no Instagram com um clickbait para pegar os desavisados.

6 Curtidas

Só um post querendo uns clicks. Por enquanto pode ficar tranquilo.

1 Curtida

É improvável no momento, pois a Nubank recebeu muito dinheiro de fundos de risco, como o Sequoia, Kaszek e de empresas como Tecent.
Mas antes de secar a fonte de dinheiro, Nubank precisa começar a dar lucro e pra isso precisa de uma recuperação global, principalmente do Brasil, que há uma década está patinando na economia.
Quanto tempo a Nubank consegue aguentar dando prejuízos crescentes? É difícil dizer, mas podem aguentar por bastante tempo.

1 Curtida

Poder, pode sim. Qualquer empresa pode quebrar.
Neste momento acho inviável porque o Nubank recebeu e recebe muitos investimentos.

Mas se olhar só os números receitas x despesas vai ver que a empresa está no vermelho. Mas segundo eles, é uma estratégia de mercado porque o foco no momento não é o lucro, mas sim aumentar o número de clientes. E esse “prejuízo” é algo esperado.

1 Curtida

Sensacional :rofl: :rofl:

É só mais um clickbait mesmo. Ignore essas “reportagens”.

Na prática, o índice de Basileia é uma conta matemática que foi desenvolvida inicialmente em 1988 por economistas do mundo inteiro em Basileia, na Suíça, para medir o quanto os bancos estavam se expondo a risco no mercado, em comparação com o capital aportado pelos donos (sócios) da instituição. Junto com o índice, esses profissionais — que compõem o chamado Comitê de Basileia – criaram algumas regras e orientações para diversos países seguirem e colocar algumas travas no sistema financeiro.

O objetivo é evitar que os bancos façam muitas estripulias que possam colocar o dinheiro do investidor em risco. O Brasil aderiu em 1994 ao acordão e passou a controlar mais de perto as instituições financeiras para elas não se alavancarem demais.

Fonte: https://bancodata.com.br/relatorio/nubank/

4 Curtidas

Acho bastante difícil mesmo quebrar.

O índice de Basiléia deve ser avaliado junto com outras informações do banco. Se avaliarmos somente este índice, o Itaú tem mais chance de quebrar que o nubank:

O índice alto do Nubank mostra apenas que os recursos da carteira de crédito são 95,6% do próprio banco, e não de terceiros.

Já o Itaú tem apenas 15,4% de patrimônio em risco na carteira de crédito.

O índice pior quer dizer ao mercado: “cuidado com esse banco Itaú, ele coloca o seu dinheiro em risco em vez de colocar o próprio dinheiro”.

E lembrando que o Nubank é um banco “investido”, ou seja, diversos fundos colocaram dinheiro nele visando o lucro lá na frente, esse dinheiro está nos tais 95,6%.

Resumindo: o Itaú (e outros grandes) “empurram” o risco para capital de terceiros, e o Nubank (e outros pequenos) seguram as pontas com capital proprio. Qual vocês acham que é mais “esperto”? :wink:

2 Curtidas

Se eles não lançarem mais serviços como uma fonte de renda a mais para a empresa, então muito provável, infelizmente… mas por ex: a Amazon e o Twitter só depois de vários anos vieram a dar lucro!

Bem explicado, parabens!

2 Curtidas

Quebrar pode, mas o dinheiro de terceiros não é incorporado ao da empresa.

1 Curtida

@Pedro_Amorim2, só a conta de pagamento vinculado aos títulos públicos. No RBD é, pois é um empréstimo que você faz à Nubank. Ele é garantido pelo FGC, que pagará, mas vai depender do próprio FGC a liquidez.