Entendendo a Educação Financeira no NuBank

Boa tarde Comunidade!
Tudo bem com vocês?

Então, eu ainda me considero nova na comunidade porém tem um assunto que eu acho bem recorrente: o de pessoas reclamando do baixo limite no Nubank!
Então eu gostaria de dar a minha opinião sobre o assunto.
Entendam que é somente uma perspectiva baseada no que eu aprendi estudando um pouco sobre Educação Financeira.

Pelo que eu vejo o Nubank tenta ajudar o usuário também incentivando a educação financeira. E quer acredite quer não, os limites podem ajudar nisso.
Talvez seja algo que hoje não te ajude, mas se você entender como funciona pode te ajudar no longo prazo.

Sabe aquela proposta do seu limite ser apenas o que você tem na conta?
Isso é o mais indicado porque:

  • O certo é você parcelar os bens que não são essenciais somente quando as parcelas não tem juros;
  • E somente se você tem aquele valor à vista!

Mas seu eu tenho o valor à vista, porque parcelar?

  • Em casos onde não é oferecido desconto para pagamento à vista, você pode parcelar o máximo que der;
  • Parcelando esse valor, vai sobrar mais dinheiro pra que você invista e seu dinheiro aumente.

Exemplificando: Se eu tenho R$10.000,00 para comprar algo e não tenho desconto à vista, eu parcelo sem juros e invisto esses R$ 10.000,00.
Se for parcelo em 10x por exemplo, ao final desses 10 meses:

  • Eu não me endividei (porque já tinha o dinheiro antes de fazer as parcelas);
  • Eu obtive o produto que eu queria;
  • Eu tenho mais dinheiro porque os R$10.000,00 foram investidos e esse dinheiro rendeu.

Se esse conceito é novo pra você ou você não entendeu muito bem, a Nath consegue explicar melhor que eu!
Ela é a dona de um dos canais de Educação Financeira que eu utilizo para aprender mais: https://www.youtube.com/watch?v=tXibl7cwVHk

Quando a gente estuda educação financeira e começa a pensar em investir a longo prazo, a gente começa a perceber que nem sempre o limite alto é algo positivo.

Agora se você já segue esses princípios e mesmo assim o seu limite é menor do que o que você ganha, aí sim eu entendo a reclamação!

Enfim, eu não sou dona da verdade e só quero trazer uma reflexão sobre o assunto.
Se puderem, com cordialidade, expressar o que pensam sobre, vou ficar feliz em ler os comentários.

Desejo pra vocês um resto de bom dia e muito controle financeiro :smiling_face_with_three_hearts:

25 Curtidas

@rebecaellerf
Simplesmente arrasou ameiii :purple_heart::purple_heart::purple_heart:

1 Curtida

Muito banaca, obrigado por compartilhar, sempre tem valia, ainda mais quando vem com um certo estudo prévio e não na base do achismo. Como diria o Dr. Enéas Carneiro:
``Quem Acha não sabe nada´´

6 Curtidas

Perfeita a sua reflexão! Infelizmente a falta de educação financeira na base de conhecimentos do brasileiro faz com que muitos pensem que o limite do cartão faz parte do seu patrimônio, do seu dinheiro, quando na verdade é apenas uma antecipação feita pela bandeira.

Eu tenho um limite mais alto que meu salário, por concessão voluntária do Nubank, mas jamais gasto além do valor que recebo, nem tenho o costume de parcelar compras, que nos comprometem a longo prazo, mesmo sem sabermos o dia de amanhã.

Post necessário e muito relevante!! :two_hearts:

12 Curtidas

Muito obrigada @Diene-Santos ! Fico muito feliz com o seu feedback :heart:

2 Curtidas

Obrigada @FlavioBelieve. Infelizmente quando se fala de Vida Financeira, o achismo pode custar bem caro. Por isso eu trouxe um pouco da minha base, pra quem sabe influenciar mais pessoas a se aprofundar no tema também :blush:

3 Curtidas

E vemos os reflexos disso a todo momento!
Sua atitude é certíssima @Vittoria_Cunha. E muito obrigada pelo apoio :smiling_face_with_three_hearts:

3 Curtidas

Olá @rebecaellerf!
Achei interessante sua reflexão, porém, um pouco romântica.
A concessão de crédito em uma instituição financeira é sempre uma decisão técnica e objetiva, obedecendo a critérios específicos. Ou seja, não é intenção do Nubank nos “ensinar algo” ao conceder-nos um limite baixo - é apenas um cálculo.

Eu considero qualquer reclamação a respeito de limite algo contraproducente e carente de sentido prático, pois, quanto mais você demonstra precisar de crédito, menos crédito você terá. Essa é a visão do mercado.

Cartão de crédito deve ser uma comodidade e não uma necessidade. Um exercício mental interessante é você perguntar aos seus botões: - Se a partir de hoje eu não puder contar mais com qualquer cartão ou linha de crédito e, consequentemente, tiver que pagar tudo a vista, qual seria o impacto nas minhas finanças? Se a resposta for algo próximo a nenhum, é um sinal de que você está no caminho certo.

8 Curtidas

Olá @LuckPass! No caso eu não quis dizer que eles intencionalmente concedem baixo limite para educar, mas que se mudarmos de perspectiva vamos olhar para o baixo limite de forma diferente, entende? (Até reli o que eu escrevi kkkkkk)
Até porque por várias vezes eu vi posts onde pessoas diziam que iriam mudar de instituição financeira por esse motivo. Sendo que na verdade eu acho que a pessoa poderia usar isso a favor da vida financeira dela!

De resto, concordo com você. Agradeço a sua contribuição!

5 Curtidas

De fato, creio que devemos tentar aprender algo seja qual for a situação.
Mas também creio que há alguns limites. O infame limite de $50,00, por exemplo, seria algo inaceitável e talvez o mais indicado fosse mesmo partir pra outras opções.

Colocações interessantes, mas também achei um tanto românticas. Gosto da filosofia do Nubank em querer contribuir para um melhor controle financeiro das pessoas, porém é sempre bom lembrar que ainda estamos falando de uma instituição financeira. Por melhor que sejam os ideais, sempre haverá um conflito de interesses. Não deveria caber às instituições financeiras o protagonismo da educação financeira de uma população. Não se deve colocar um lobo para tomar conta dos cordeiros, mesmo que o lobo seja vegano. Em finanças, a regra é clara: + razão, - emoção.

1 Curtida

Ótimo tópico e boas reflexões! :clap:

Mas nessa parte que eu citei que o povo se enrola.

Ao invés de investir esse dinheiro e ir usando o mesmo para pagar as parcelas seguintes muita gente “esquece” da dívida que fez e acaba gastando esse valor, que em tese já está comprometido.

Por saber que eu posso acabar fazendo isso, evito o máximo parcelar compras no cartão. O máximo que eu faço é só comprar o produto quando tenho o dinheiro na conta, só que no crédito. Aí sei que tenho que segurar esse valor até o pagamento da fatura!

3 Curtidas

Só tive a chance de ler seu tópico hoje, e que aula! :clap:t2: :clap:t2: :clap:t2: :clap:t2:

Com certeza ela é uma excelente mentora, embora eu seja mais conservador que ela, não nego que ela tem sempre excelentes dicas, ela produz um ótimo conteúdo!

Realmente, a educação financeira é importantíssima para acabar com o imediatismo e consumismo tão difundido na nossa cultura. Medir nossas ações hoje, definirá o rumo do nosso futuro! Parabéns pela busca do conhecimento útil e compartilhamento do mesmo!

Uma pergunta: já começou em investir em algum ativo? Ou, ainda está estudando sobre?

2 Curtidas

Tá, aí eu admito que fica complicado mesmo :rofl: :rofl: meio difícil usar limite de R$50,00 …

1 Curtida

Eu concordo com alguns dos seus pontos mas nesse caso eu acho que as instituições financeiras também tem interesse na educação financeira dos seus usuários.

Veja a minha percepção:

  • Para não se prejudicar com a inadimplência os bancões aumentam os juros dos empréstimos de todos os usuários (quer paguem quer não);
  • Corretoras e fintechs atualmente chamam a atenção por não terem práticas de juros abusivos, então nesse caso, usuários educados financeiramente na teoria diminuiriam o risco de inadimplência, porque evitariam as dívidas ao máximo.

E uma corretora onde eu tenho conta por exemplo está incentivando a educação financeira, com uma promoção onde para participar basta assistir os vídeos da B3 que aprofundam na teoria de como funcionam os títulos de renda fica e investir no Tesouro Direto. Eu acho que essa atitude é de uma instituição que tem interesse em educação financeira.

Pois é, no Brasil essa deficiência é gritante. E exatamente por isso acho que quanto mais houver, melhor. Acho importante os canais de educação financeira do YouTube, a Semana de Educação Financeira da B3 e se as instituições puderem fazer alguma coisa, que façam. Sempre é bem-vindo!

2 Curtidas

Entendi o seu ponto.
Acho que uma das regras mais importantes quando a gente começa a estudar o mundo dos investimentos é: sempre adaptar a nossa vida! O melhor investimento é o que funciona melhor pra minha vida, pros meus objetivos e são diferentes dos seus. O melhor método é o que eu consigo colocar em prática de acordo com a minha maneira de ser que é diferente da sua.

Inclusive essa técnica fica mais interessante quando a pessoa consegue ter uma boa rentabilidade. Caso contrário pode ser pouco lucrativa também!

2 Curtidas

Eu assisto ela, o Tiago Nigro (Primo Rico), Breno Perrucho (Jovem de negócios) e recentemente comecei a assistir a Nilce e o Luis (canal Financeiro). Cada um explica as coisas de um jeito diferente e tem uma técnica que se adapta ao seu estilo de vida. E por enquanto eu vou aprendendo e tentando ver quais métodos eu vou poder aplicar quando eu conseguir juntar dinheiro para investir, porque me recoloquei no mercado de trabalho há pouquíssimo tempo.

Mas enquanto isso, eu invisto o dinheiro do meu pai em Tesouro Direto e IPCA, CDB de liquidez diária, Fundos de Investimento e Fundos Imobiliários. Aí eu vou praticando o que aprendo. E você @PauloSuzuki?

1 Curtida

Você que gosta de ver vídeos sobre Educação Financeira, deixo aqui duas indicações de canais, o Dinheirama e o Gustavo Cerbasi, gosto muito de acompanhar os dois (fora a Nath do Me Poupe, que foi onde comecei a aprender sobre investimentos).

3 Curtidas

Pessoalmente os considero os melhores no assunto, são meus mentores.

A Nilce é fofa demais :joy: (Assisto o Cadê a Chave?)
Já assisti alguns vídeos, são extremamente didáticos, muito bom pra quem está começando a aprender agora.

Interessantíssimos para o perfil do seu pai. Está fazendo muito bem o trabalho de casa.

Ações, Fundos Imobiliários, e no momento apesar de preferir ser conservador, não tenho nada em Renda Fixa, os juros atuais não estão me agradando, então me permiti ousar mesmo na crise. Usei o dinheiro para aumentar meus aportes na variável e tive muito sucesso, estou feliz com a rentabilidade que superou em 310% os investimentos anteriores. Mas pretendo voltar para a R.F. assim que tudo voltar ao normal, sou adepto da carteira bem diversificada. E obviamente, mantenho meu fundo de reserva/emergência/oportunidade na Nubank (fiz uma retirada boa, porém já estou devolvendo). Atualmente estou estudando para investir em criptomoedas. (Meu perfil conservador está indo pro brejo :joy:)

4 Curtidas

Gente, amei trocar experiências com vocês!

Agradeço demais @Vittoria_Cunha, vou assistir sim. Acho que cada pessoa tem alguma coisa diferente a agregar e em finanças, quanto mais diversificado, melhor!

@PauloSuzuki, eu me surpreendi ao ver a Nilce falando de finanças, e agora estou adorando. A simpatia dela e o conhecimento, claro, me consquistaram demais!

Muito obrigada :smiling_face_with_three_hearts:

O certo é isso mesmo! O mercado muda e temos que mudar com ele, de acordo com o nosso perfil, claro!

Muito bem!

Meu pai ouviu falar sobre isso e queria que eu investisse o dinheiro dele. Porém, eu teria que estudar muito para entender bem o conceito e nesse momento de instabilidade já tenho coisas demais para estudar, então estou convencendo ele do contrário kkkkkk mas eu acho que tendo os conhecimentos necessários, vale a pena arriscar!

4 Curtidas