Vai um dogão aí?

Oi, gente! Tudo bom? Estou aqui (emocionadíssima) fazendo meu primeiro post e já venho falando de comida, porque é isso que tem de melhor na vida, não é mesmo?

concordo

E como aqui no Nubank a gente adora uma variedade e inovação, nada melhor do que falar de uma iguaria tão democrática quanto essa, que tem várias versões deliciosamente diferentes, pra todos os gostos e que representa bem nossa cultura. Aqui no Roxinho também abraçamos muito bem essa ideia: quanto mais diversidade, melhor :purple_heart:

No último dia 09, comemoramos o dia do Cachorro-Quente, e pra homenagear essa iguaria maravilhosa, vim aqui pra contar um pouquinho de como surgiu esse “lancho” tão bom e apetitoso. Vamos nessa?

A história

Primeiro, vamos voltar no tempo, lá em 1856…


Naquele ano, chegava aos EUA o alemão Charles L. Feltman, que gostava muito de salsichas no estilo “Frankfurter”. Ele era padeiro e em 1865 (período em que os EUA estavam se reerguendo da Guerra Civil Americana), abriu uma padaria no Brooklyn.

Ele fazia entregas para as empresas de Coney Island, como tortas, por exemplo, com a ajuda do seu carrinho. Ele vendia nesse carrinho frutos do mar também, já que é uma região litorânea.

No finalzinho da década de 1860, foi inaugurada uma ferrovia, que levava o pessoal de Coney Island ao Brooklyn, e com o movimento bom, os clientes começaram a pedir que Feltman servisse comidas quentes, não só mariscos frios.

Foi aí que em 1867, Feltman pediu ao fabricante que fez seu carrinho que o modificasse, colocando um braseiro e também uma caixa em que pudesse aquecer uns pães.

Então Feltman saiu empurrando seu carrinho pelas areias de Coney Island, vendendo seus “Coney Island Red Hots” (ou algo como “Calor Vermelho de Coney Island”, literalmente traduzido) - assim era chamado. Ele acrescentou pão à salsicha que tinha costume de comer lá na Alemanha, pois assim ficava mais fácil de comê-la na praia. Olha só, que ideia fantástica!

Feltman começou a fazer muito sucesso vendendo seus pães com salsicha, então em 1871, ele alugou um espaço e inaugurou o restaurante Feltman’s Ocean Pavilion (Pavilhão do Oceano de Feltman na tradução literal). Aquilo expandiu e com o tempo virou um verdadeiro império, com nove unidades do restaurante, montanha-russa, carrossel, cinema ao ar livre, salão de festas… Só faltou um ratinho de macacão pra virar parque temático, né? Posso dizer apenas uma coisa: QUERIA.


Imagem do site de Feltman’s Coney Island

Nathan’s

Anos depois, no início do século XX, a companhia de Feltman contratou um imigrante polonês chamado Nathan Handwerker, para a função de cortar pães. Com o passar do tempo, ele foi encorajado por amigos a abrir seu próprio negócio, e com um empréstimo de aproximadamente 300 dólares e com a receita da família da esposa, Nathan abriu sua própria loja, a algumas quadras de Feltman. Ele vendia cachorros-quentes pela metade do preço que Feltman vendia, para atrair clientes, e com o passar do tempo, se tornou também um império, que existe até hoje.


Imagem da fachada do restaurante Nathan’s Famous

Depois da Grande Depressão e da Segunda Guerra mundial, a família Feltman chegou a vender seus negócios e os novos donos fecharam as portas em 1954, mas recentemente, em 2015, os direitos da marca foram comprados e foi reaberto, funcionando até os dias atuais.

E como surgiu o nome “Hot-Dog”?


Eu sei, a fome tá começando a bater contando essa história toda, mas afinal: como surgiu esse nome?

É dito por aí que o nome “Hot-Dog”, ou “Cachorro-Quente”, como chamamos aqui no Brasil, surgiu somente anos depois, quando comparavam-se as salsichas com o cãozinho da raça Dachshund (o famoso salsicha aqui no BR). Dizem até que um cartunista chamado Tad Dorgan teria publicado um desenho no jornal local, comparando o bichinho com os lanches de pão com salsicha e isso teria popularizado mais ainda a expressão.

O Hot-Dog mundo afora

Não demorou pra essa iguaria chegar aqui no Brasil e no resto do mundo.

Aqui no nosso querido BR, cada lugar ele tem um estilo, é até motivo de briga.

Tem com purê de batata, ovo de codorna, bacon, cenoura, milho, batata palha (essa eu AMO), carne moída, vinagrete, tem quem goste dele prensado… Enfim, o céu é o limite! Brasil não é para amadores, meus caros.

Vocês imaginavam que por trás de um pão com salsicha tinha tanta história assim?

Com purê, sem purê, com ovo, sem ovo, somos diversos e plurais, e isso que é maravilhoso!

E vocês, hein? Como gostam de comer o famigerado DOGÃO? Digam como ele feito é aí na região de vocês!

Para saberem mais detalhes da história do hot-dog, podem acessar esses links aqui:

Site BBC

Guia dos Curiosos

43 Curtidas

Ler essa publicação agora perto do almoço não foi uma boa ideia hahahahah Fiquei com uma fome de comer um hot dog bem brasileiro, completão hahah

8 Curtidas

Nossa, um post desses logo antes do almoço é maldade! Já me deu logo vontade de comer meu dogão favorito aqui em Fortaleza/CE :drooling_face: :yum: :hotdog:

10 Curtidas

Aí meu Glob, eu adoro um dogão, no meu não pode faltar batata palha, maionese e ketchup :drooling_face: :drooling_face:, mas por aqui o que mais tem é o tipo prensado, eu prefiro ele sem ser prensado, quem faz essa função é o meu estômago. :sweat_smile: :sweat_smile: :sweat_smile: :sweat_smile: :sweat_smile:

tenor

3 Curtidas

Um dogão é muito bom para dar aquela forrada no estomago.

Eu gosto dele com batata palha 2 salsichas e muita maionese caseira ( a verde bem temperada ) e claro prensado parece que realça o sabor

5 Curtidas

Eu amo um dog prensadão com purê, milho, bastante queijo e bacon por cima :drooling_face: :drooling_face:

5 Curtidas

Como amo hot dog…:drooling_face:

4 Curtidas

Um tópico desses essa hora?

Já bateu aquela fome! :yum:

5 Curtidas

Muito gostoso mesmo, ainda bem que comigo para comemorar macarrão com muita salsicha kkkkk. Parabéns!

1 Curtida

Aqui em Natal/RN tem tudo, menos purê de batata kkk.

2 Curtidas

Minha nossa!!! Esse dogão é até uma ofensa kkkkk que coisa linda! :drooling_face:

2 Curtidas

ahhahahahaha sim! Cheio de batata palha!

Hahahahhaha Amo! Às vezes eu prefiro prensado, porque eu não sei comer, derrubo tudo. Vou procurar um curso profissionalizante de comer cachorro-quente

3 Curtidas

Maionese verde é definitivamente um patrimônio nacional

1 Curtida

Eitaaa :drooling_face:

Amamos! Bom demais, né? :hotdog:

1 Curtida

Todos os movimentos foram friamente calculados kkkk

1 Curtida

Hhahahaha pôxa, um purezin no dog fica bom!

Nossa fome foi parar nas alturas agora.

Vale dizer que lá em Paulo Afonso na Bahia um dogão precisa ter carne moída, e se for apimentada melhor ainda!!! E prensado por favor, senão eu me sujo todo kkkk (apesar que vale a pena pela iguaria)

5 Curtidas

Já quero (só que sem pimenta hahaha)! E eu também prefiro prensado, sou um desastre comendo dogão

1 Curtida